Tendências do vinho em 2023

Após quase três anos de uma pandemia global, de problemas da cadeia de abastecimento e dos desafios do aquecimento global, a indústria do vinho continua a inovar para satisfazer as necessidades dos consumidores.

É inegável que novas tendências chegarão ao mundo do vinho em 2023. A procura de vinhos rosé continua a ser forte. Os viticultores utilizam práticas melhores para o ambiente e protegem as vinhas de eventos climáticos extremos. Os viticultores e consumidores estão cada vez mais a levar a sustentabilidade a sério. Os consumidores ambientalmente conscientes estão a impulsionar o mercado de embalagens alternativas. A geração dos millennialsprocura um maior valor e alternativas fora da caixa. As vendas de vinho estão em alta nos canais online. Os vinhos ultra-premium têm uma forte procura, apesar da inflação. Espera-se que os vinhos sem álcool e com baixo teor alcoólico continuem a crescer. Finalmente, os vinhos espumantes são cada vez mais adequados para o consumo diário.

A sustentabilidade vai para além da produção física do vinho

As gerações mais jovens de consumidores de vinho continuam a procurar um melhor tratamento do ambiente e a apoiar os enólogos empenhados em práticas verdes. Estes consumidores querem vinhos que correspondam aos seus valores, centrados num futuro sustentável. Isto inclui naturalmente a vinificação orgânica e biodinâmica que preserva o ambiente, utiliza menos pesticidas, recicla a água e oferece embalagens alternativas. Mas a exigência de sustentabilidade da Geração Z vai além dos aspetos físicos da vinificação e inclui também práticas comerciais éticas, gestão justa dos recursos e o tratamento justo dos produtores e trabalhadores das vinhas. Embora os movimentos de justiça social estejam a forçar a indústria a abordar a equidade e a inclusão, estão também a encorajar os consumidores a apoiar diversos produtores. As adegas que investem na diversidade, equidade e inclusão terão um retorno do seu investimento.

Regiões novas e desconhecidas ganham popularidade

Em 2022, regiões de renome como a Borgonha e Napa sofreram incêndios, geadas e secas. Com preços elevados e oferta limitada nestas regiões, os compradores são forçados a procurar novas regiões. O Chablis, que estava a tornar-se caro e difícil de obter, foi substituído por vinhos brancos do Jura e Savoie. Os compradores estão interessados em Maremma na Toscana, Grécia para os seus vinhos brancos crocantes, e Franciacorta em Itália para os seus vinhos espumantes de método tradicional. Espera-se também que a oferta de vinho português de alta qualidade e baixo custo ganhe terreno em 2023, especialmente para os consumidores interessados em descobrir novos vinhos e blends varietais.

Os jovens consumidores curiosos que gostam de experimentar algo fora dos circuitos habituais continuarão a aumentar a procura de castas indígenas de todo o mundo. Exemplos incluem Godello e Sumoll de Espanha, Xinomavro e Assyrtiko da Grécia, e uvas indígenas de vinhas da Europa de Leste, incluindo a Turquia, Hungria e Geórgia.

As variedades híbridas e autóctones chamam a atenção

Em 2022, calor abrasador, níveis de seca recorde, geadas primaveris, tempestades de granizo e incêndios florestais forçaram mais uma vez os viticultores a pensar fora da caixa em termos de práticas vitivinícolas e a considerar novas castas que possam responder melhor a um clima em mudança. A utilização de uvas híbridas – espécies europeias cruzadas com variedades nativas norte-americanas – produz culturas que são frequentemente mais adaptáveis aos desafios climáticos locais e oferecem maior fiabilidade em tempos de mudança sem precedentes.

As variedades nativas mais antigas e as novas variedades híbridas, capazes de suportar condições de crescimento extremas, andam de mãos dadas com as regiões emergentes. Algumas regiões vinícolas menos conhecidas estão a revelar-se particularmente resilientes, com as castas nativas a terem as melhores hipóteses de sobreviver e prosperar. Híbridos desenvolvidos para resistência a pragas da videira, míldio, seca e outras consequências do aquecimento global estão agora a abrir regiões interessantes que são atrativas para os consumidores.

Os viticultores mantêm a noção tradicional de avaliar a proveniência das uvas enquanto desacreditam a ideia de que só a casta vitis vinifera pode produzir vinho de qualidade. Até o Comité do Champanhe está agora a permitir aos viticultores plantar a variedade híbrida Voltis resistente a fungos para combater o míldio, de que a região sofre.

Espera-se que o consumo de vinhos sem álcool e com baixo teor alcoólico aumente

Os vinhos sem álcool e com baixo teor alcoólico continuam a ser uma tendência dominante que poderá ganhar ainda mais terreno em 2023. Um número crescente de consumidores de vinho está a concentrar-se na sua saúde e bem-estar. Os vinhos sem álcool e com baixo teor alcoólico são uma alternativa mais saudável para esta população.

De acordo com um estudo recente de 10 países da IWSR Drinks Market Analysis, as vendas de bebidas não alcoólicas e com baixo teor alcoólico excederam os 11 mil milhões de dólares em 2022, contra os 8 mil milhões de dólares em 2018. Continua a ser um nicho de mercado, mas a IWSR prevê que o consumo de bebidas não alcoólicas e com baixo teor alcoólico aumentará um terço até 2026.

O mercado do vinho de luxo continua dinâmico

À medida que o mundo entra num período de crescente fragilidade económica, aqueles com estabilidade financeira oferecerão cada vez mais oportunidades aos proprietários de marcas de vinho premium. Durante a pandemia, o mercado assistiu a um enorme aumento da procura por parte dos clientes com mais rendimento disponível. Agora, com a inflação, os consumidores estão a beber menos, mas melhor. Embora os preços estejam a subir, os vinhos ultra-premium podem ser um prazer relativamente acessível em comparação com outros produtos de luxo.

O vinho espumante torna-se uma bebida do quotidiano

As vendas de vinhos espumantes aumentaram novamente no último ano, e esta tendência não mostra sinais de abrandamento. Enquanto o Champagne, Cava e Prosecco continuarão a gozar de grande popularidade, os consumidores estão cada vez mais a escolher garrafas mais baratas de Crémant, Franciacorta e Lambrusco. Pet-nat, um vinho espumante feito apenas com uma fermentação, ao contrário do Champagne que tem duas, pode muitas vezes ser mais barato e continua a atrair os amantes do vinho natural. Os vinhos espumantes de baixo custo encorajam os consumidores a considerá-los como uma bebida diária que não requer uma ocasião especial. Nos Estados Unidos, espera-se que o vinho espumante ultrapasse a cerveja como a bebida alcoólica mais consumida do país até ao final de 2023.

Os cocktails de vinho estão a ganhar força

Com o crescente foco na saúde e bem-estar, os consumidores de todo o mundo estão a virar-se para os cocktails de baixo teor alcoólico. Aqueles que procuram bebidas mistas mais leves e novas combinações de sabores ficarão encantados. Um mundo inteiro de cocktails de vinho espera por si!

Rosé continua a ser o favorito do consumidor

O Rosé tem se vendido bastante nos últimos anos, continuando a superar a perceção convencional de que se tratava de uma bebida de verão. As tendências dentro desta categoria incluem um crescimento em flecha do rosé espumante em particular, bem como um aumento significativo dos preços que os consumidores estão dispostos a pagar por garrafa.

A embalagem alternativa é o futuro

Repensar a garrafa de vidro tornou-se uma prioridade máxima para as adegas que pensam no futuro e procuram reduzir as suas emissões de carbono. O fabrico e transporte de uma garrafa de vinho representa até 68% da pegada de carbono de todo o produto. Em comparação, à Bag In Box de vinho de 1,5 litros, a garrafa sem a caixa, ou seja, a bolsa sem a caixa circundante, oferece a maior redução da pegada de carbono sobre as garrafas de vidro, a 90%, e começa a tornar-se popular na Europa.

Estudos de mercado sugerem que o mercado global de vinho enlatado poderá crescer a dois dígitos ao longo dos próximos anos. Os consumidores exigem cada vez mais comodidade, e as latas portáteis e leves estão a satisfazer esta procura. As latas também podem tornar o vinho mais acessível aos consumidores e pôr fim aos conceitos errados sobre a imagem do vinho “premium”. Em 2023, haverá provavelmente mais vinho em latas e caixas, e mais tampas de rosca para uma população envelhecida de baby boomers que estão cansados de saca-rolhas.

O e-commerce impulsiona as vendas

A indústria do vinho está a tornar-se cada vez mais digital e está a passar de um mercado tradicional para um mercado orientado para o comércio eletrónico. As vendas estão a explodir através de canais online à medida que os consumidores se habituam a fazer compras a partir do conforto das suas casas. O e-commerce é particularmente lucrativo para as pequenas adegas, que podem comercializar-se de uma forma mais eficaz, atingir um público mais vasto e aumentar as suas vendas.

Todos estes desenvolvimentos deverão ser seguidos em 2023.

Valentina Phillips

Last articles

“Uma medalha obtida num concurso internacional de renome, como o Concours Mondial de Bruxelles, tem um reconhecimento significativo por parte dos consumidores”
29 Jan 24
“Uma medalha obtida num concurso internacional de renome, como o Concours Mondial de Bruxelles, tem um reconhecimento significativo por parte dos consumidores”
Alghero, na Sardenha, acolhe a Sessão de Vinhos Espumantes de 2024
06 Nov 23
Alghero, na Sardenha, acolhe a Sessão de Vinhos Espumantes de 2024
Um novo concurso nacional no Brasil
27 Out 23
Um novo concurso nacional no Brasil