Derniers Articles

Os viticultores calabrianos guardam ciosamente as suas castas nativas e asseguram que as transmitem às gerações futuras
Vinhos espumantes da Bairrada na ribalta
27 Jun 22
Os viticultores calabrianos guardam ciosamente as suas castas nativas e asseguram que as transmitem às gerações futuras
Apesar da crise, o Champanhe permaneceu no coração dos consumidores de todo o mundo
27 Jun 22
Os viticultores calabrianos guardam ciosamente as suas castas nativas e asseguram que as transmitem às gerações futuras
O Concurso Mundial de Bruxelas anuncia os resultados da Sessão de Tintos e Brancos 2022
01 Jun 22

Os viticultores calabrianos guardam ciosamente as suas castas nativas e asseguram que as transmitem às gerações futuras

Os viticultores calabrianos guardam ciosamente as suas castas nativas e asseguram que as transmitem às gerações futuras

Gennaro Convertini é presidente da Enoteca Regionale Calabrese. É um perito agrícola e encarregado da promoção da indústria vinícola na Agência de Desenvolvimento Regional da Agricultura da Calábria (ARSAC). É também presidente da federação italiana de sommelier para a Calábria.

Uma semana antes do início do Concurso Mundial de Bruxelas de 2022 em Cosenza, Gennaro Convertini ofereceu-se para nos dar uma descrição detalhada das principais castas da Calábria, aludindo às vantagens e desvantagens envolvidas na sua promoção adequada.


– Que uvas são mais adequadas ao clima e aos solos da Calábria?
Numa península localizada no sul de Itália, com 800 km de costa mediterrânica, é de esperar que o clima seja quente e seco. Mas, na realidade, 91% da área é o lar de campos e montanhas ondulantes. A Calábria está situada no extremo das montanhas dos Apeninos. Os seus três parques nacionais – Pollino, Sila e Aspromonte – que começam nos picos das montanhas e descem em direção aos mares Jónico e Tirreno, criam paisagens distintas que, ao longo dos séculos, se tornaram o berço das vinhas passadas desde a Antiguidade. Assim, em vez de região vinícola da Calábria, deve ser referida como as várias edições da região vinícola da Calábria, onde cada local tem as suas próprias castas de referência e entrega vinhos únicos que se baseiam na cultura histórica de cada local. É por isso que, através das vinhas da Calábria, existem dezenas e dezenas de nomes de uvas autótones, nem todos foram totalmente explorados ou cultivados, mas todos são ciosamente guardados pelos viticultores locais.


– Quais são as principais castas da Calábria?
Como mencionado acima, existem muitas, mas vamos tentar focar-nos naquelas a partir das quais a maioria dos vinhos calabrianos que encontramos hoje no mercado são feitos. Para as castas tintas, definitivamente a mais cultivada é a Gaglioppo, a principal casta para vinhos tintos e rosé Ciró e Melissa, na zona jónica de Crotone. A elegância e equilíbrio dos vinhos de Ciró tornam-nos praticamente irreconhecíveis como vinhos mediterrânicos em termos de aroma e sabor. A iteração rosé de Gaglioppo expressa plenamente a frescura e o equilíbrio da casta, tornando-a num dos rosés mais populares no mercado italiano.
A segunda casta mais cultivada na Calábria é a Magliocco Dolce, típica das zonas dentro dos limites da denominação Terre di Consenza, uma importante zona de produção situada no Norte da Calábria, que se estende do Monte Pollino a La Sila e de Este a Oeste do mar Jónico ao mar Tirreno. Tal variedade de sítios de vinha está encapsulada no vidro, moldando as muitas nuances de Magliocco Dolce. Quando bem equilibrado, o carácter generoso, a cor rica, a acidez e os taninos da casta produzem vinhos muito estruturados e dignos de envelhecer.
Em Lamezia e na Costa degli Dei, à volta de Tropea, o Magliocco Canino, de maturação tardia, está muito difundido. Geneticamente, difere do Magliocco Dolce, mas apresenta a mesma cor e tanino. Devido ao seu nível natural de acidez, tem de ser colhido mais tarde, mas a espera é recompensada por vinhos elegantes.
Nerello Mascalese localmente conhecido como Nerello Calabrese – e Calabrese (Nero d’Avola) são cultivados em vinhas em redor do parque nacional Aspromonte na província de Reggio Calabria e rotulados sob a denominação Bivongi e PGIs Locride, Palizzi, Pellaro, Costa Viola, Scilla e Arghillà. Aqui, os vinhos tintos podem ser mais austeros, típicos dos sítios de montanha, ou mais quentes, mais salinos do estilo mediterrânico.
A Greco Noir e outras castas menores sempre desempenharam um papel secundário nas misturas típicas que formam a base dos vinhos tradicionais. Mas o que é mais surpreendente nas uvas Calábrias são as muitas castas brancas que, durante séculos, estiveram escondidas entre as vinhas utilizadas para a produção de vinhos tintos. As uvas brancas, que chegaram a representar apenas pequenas percentagens do total, foram colhidas e fermentadas no lote.
A primeira delas é Mantonico Bianco, que é utilizada para fazer vinhos de nicho mas que está destinada a tornar-se a estrela dos vinhos brancos da Calábria devido ao seu forte carácter – é na realidade uma uva de casta tinta mascarada de branca. A investigação genética recente estabeleceu as suas origens antigas e classifica-a como uma das castas fundadoras da viticultura mediterrânica.
É seguida pela Greco Bianco, que vem em várias versões. Vão desde as mais aromáticas da costa jónica de Reggio Calabria – que tem a mesma origem genética e história que todas as famosas uvas aromáticas Malvasia no Mediterrâneo – até às versões encontradas noutras partes da região. A outra casta branca de sucesso, que começou na minúscula região de Savuto Cosentino e é agora amplamente cultivada em toda a Calábria, é Pecorello, uma casta não aromática que produz vinhos brancos excelentes e estruturados.
O espetro do vinho branco da Calábria é complementado por duas castas com uma influência aromática particular – Zibibbo, cultivada na Costa degli Dei e trazida antes da extinção por uma ninhada de jovens viticultores locais, e Guarnaccia Bianca, amplamente cultivada na região de Pollino, a partir da qual é produzido o famoso vinho branco seco de Saracena.


– A nível regional, qual é a percentagem de castas nativas em relação às castas internacionais?
– Na Calábria, tal como no resto da Itália nos anos 90, a utilização de castas internacionais ganhou espaço numa tentativa de produzir vinhos modernos que eram muito populares comercialmente. Cerca de trinta anos depois, alguns viticultores produziram algumas iterações muito interessantes e “típicas”, de tal forma que se tornaram agora bandeiras na sua gama de produtos. Outros continuam a utilizá-los para se misturarem com variedades locais. Contudo, a tendência atual é a de salvaguardar e mostrar as muitas castas autótones. Invertemos agora a tendência anterior porque as castas internacionais não representam mais de 20% das vinhas da Calábria, e a sua quota continua a diminuir.


 -Quais são os principais desafios encontrados pelos viticultores calabrianos na comercialização dos seus vinhos?
A falta de conhecimento dos vinhos da Calábria é um obstáculo para a comercialização dos vinhos. Outro desafio é a dimensão da maioria das adegas da Calábria, que são pequenas ou por vezes muito pequenas, e mais geralmente a baixa produção de uvas e vinhos engarrafados devido a uma redução drástica da área vitícola nos últimos 40 anos. A pequena quantidade de vinho e a sua miríade de estilos dificultam a implementação de comunicações eficazes e modernas em todo o setor.


– Qual é o caminho atualmente seguido pelos produtores para promover os vinhos calabrianos?
– Neste momento, não existe realmente uma estratégia de promoção dos vinhos calabrianos. As instituições realizam atividades promocionais padrão – participação em exposições, eventos, open days em adegas, etc. – que são realizadas periodicamente e sem coordenação entre instituições como a região, províncias e câmaras de comércio. Os Consórcios, que recebem financiamento através do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR – medida 3.2), lutam para utilizar os poucos recursos disponibilizados através do programa regional. Utilizam o financiamento de forma intermitente e sem continuidade, apesar de este ser um pré-requisito para atividades promocionais estratégicas eficazes. Individualmente, os produtores simplesmente desenvolvem atividades de marketing empresarial numa base contínua com profissionalismo, mas apenas as médias ou grandes empresas o fazem.