Derniers Articles

Apesar da crise, o Champanhe permaneceu no coração dos consumidores de todo o mundo
Participar no Wine Paris
26 Jul 22
Apesar da crise, o Champanhe permaneceu no coração dos consumidores de todo o mundo
SOS – Salvar os nossos vinhos doces!
20 Jul 22
Apesar da crise, o Champanhe permaneceu no coração dos consumidores de todo o mundo
O Concurso Mundial de Bruxelas revela os melhores vinhos espumantes do ano
07 Jul 22

Apesar da crise, o Champanhe permaneceu no coração dos consumidores de todo o mundo

Jun 27, 2022
Partager sur
Apesar da crise, o Champanhe permaneceu no coração dos consumidores de todo o mundo

Em 2021, as exportações mundiais de Champagne atingiram um número recorde de 5,7 mil milhões de euros. Apesar da crescente popularidade de outros vinhos espumantes, tais como Prosecco e Cava. Em termos de valor, o Champanhe continua a ser o maior fornecedor de vinhos espumantes do mundo. Pedimos a Charles Goemaere, Diretor do Comité Interprofessionnel des Vins de Champagne (CIVC), para explicar o segredo do sucesso contínuo da Champagne e o futuro dos famosos vinhos espumantes.


– As vendas totais de Champanhe em 2021 atingiram mais de 320 milhões de garrafas, um valor quase um terço superior ao de 2020, mas também um aumento de 9% em relação a 2019. Qual a razão para este sucesso?
– Em 2020, sofremos a maior queda nas vendas na história moderna da nossa região, e em 2021 a maior recuperação, o que nos permitiu não só apagar 2020, mas também ultrapassar 2019. Os 5,7 mil milhões de euros em 2021 representam um volume de negócios nunca alcançado pela Champanhe. 2022 está a começar muito bem, em todos os mercados.


– Cavas
, proseccos, vinhos espumantes californianos e crémants tiveram um grande impacto no desenvolvimento do mercado do vinho espumante durante a última década. Será isto um desafio para o Champanhe?
– Globalmente, consideramo-nos afortunados por fazer parte do segmento mais dinâmico do mundo. Os vinhos espumantes estão a tornar-se cada vez mais qualitativos em todo o lado. Isto é um incentivo para fazer ainda melhor como líder. É também uma necessidade de continuar a estar presente em termos de imagem junto dos consumidores. Quanto mais pessoas estiverem habituadas a beber vinho espumante, mais podemos alargar a base de consumidores sobre a qual nos podemos continuar a desenvolver.


– Face a esta concorrência, como se posiciona o champanhe em termos de preço?
– O melhor nível de preço é aquele que o consumidor está pronto a pagar e isto está ligado à qualidade e imagem do Champanhe que deseja comprar. A criação de valor avança ano após ano, com um aumento das exportações que não pode ser negado. Em 2017, as exportações excederam 50% das vendas/envios e representam agora mais de 56% das vendas de Champanhe.


– Quais são os mercados onde o crescimento do Champanhe é o mais relevante?
– Os mercados mais importantes que mais se fortaleceram são os EUA e a Austrália. Os países escandinavos também estão a progredir fortemente. Com excepção da China e Singapura, que são ainda muito afetadas pela crise sanitária, todos os destinos de exportação estão a crescer dinamicamente (no mínimo, + 10% em comparação com 2019).


– Em 2021, a França teve uma das suas colheitas mais pequenas e a região de Champanhe não foi exceção. Quais foram as consequências para a produção e vendas?
– Com o sistema de reserva que existe em Champanhe, conseguimos compensar a queda da produção e assim abastecer todos os mercados, o que garantiu a continuidade do seu desenvolvimento. O nosso sistema tem oferecido uma extraordinária capacidade de resistência a todo o nosso setor.


– Como é que a mudança climática está a afetar a região?
– A primeira coisa que notamos é que há mais altos e baixos na produção, com alternâncias de colheitas muito boas e anos mais complicados, tanto a nível global da região de Champanhe como entre as nossas outras áreas de produção. No que diz respeito ao estilo, sendo o Champanhe principalmente um vinho de mistura, conseguimos sem dificuldade preservar a tipicidade e os estilos dos nossos vinhos.


– Os consumidores voltam-se cada vez mais para os vinhos biológicos e biodinâmicos. E o Champanhe?
– Gostaríamos que todo o setor se comprometesse com um processo de desenvolvimento sustentável, no qual o orgânico é um dos caminhos possíveis. A nossa certificação “Viticultura Durável em Champanhe”, reconhecida pelo Ministério da Agricultura, é praticada em mais de 50% das vinhas. O nosso objetivo é ter 100% das nossas vinhas certificadas até 2030.


– Qual é a tendência de mercado mais forte que se vê neste momento?
– A principal tendência que observamos está ligada ao período da pandemia. Os consumidores têm subido de gama nas suas compras, nomeadamente com colheitas especiais e vintages reconhecidas. Isto é extremamente interessante, porque estamos a assistir a um aumento do valor e vemos a possibilidade de alargar a gama de champanhe oferecida. O Brut representava tradicionalmente mais de 90% dos volumes, os outros produtos (vintages, cuvées, parcelas) estão agora a progredir mais rapidamente.


– Na sua opinião, o que explica o sucesso dos vinhos espumantes rosé?
– O Rosé tem sido sempre popular em Champanhe e tem vindo a crescer nos últimos vinte anos. Os vinhos rosé são misturados, o que permite ter Champanhes frescos e frutados que os consumidores apreciam muito, especialmente nos EUA, o maior mercado para o Champanhe rosé.


– Quais são os maiores desafios que o Champanhe enfrenta atualmente?
– O primeiro desafio é continuar a produzir Champanhe num contexto de alterações climáticas. Estamos também a prestar muita atenção às expetativas dos consumidores do ponto de vista da qualidade, mas também no que diz respeito às expetativas da sociedade que são muito fortes hoje em dia. Apesar da crise, o Champanhe permaneceu no coração dos consumidores de todo o mundo, e cabe-nos a nós continuar a merecer este interesse.

Jun 27, 2022
Partager sur